Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

demagogia de bolso

Convencido . Corrompido . Corrosivo .

demagogia de bolso

Convencido . Corrompido . Corrosivo .

Efemérides

Faz hoje, dia 2 de Setembro, precisamente um ano, desde o último dia 2 de Setembro. Incrível.

 

Agora a sério. Faz 6 anos que conheci-a pessoalmente. A Ela. Ao amor da minha vida, agora.

 

Na altura não olhava para ela como algo mais do que um amor de verão ou adolescente. Lembro-me de a ver pela primeira vez. Lembro-me de como estava vestida. A cor do verniz e os olhos um pouco borratados por ter posto rímel a pressa. Lembro-me do seu riso miudinho. Lembro-me de onde demos as mãos e de onde nos beijamos pela primeira vez. Lembro-me das promessas que fizemos um ao outro. Lembro-me de como éramos crianças. Lembro-me de como estávamos ansiosos e assustados, incapazes de nos entregarmos um ao outro, fruto de um receio maior construído por uma distância medida em quilômetros que nos afastava um do outro. Lembro-me dela a dormir nos meus braços, cabeça encostada no meu peito, naquela tarde cinzenta de setembro passada numa tenda. Lembro-me das fotos que tiramos, as quais apenas as conservo na memória. Lembro-me da pulseira que lhe dei e da promessa que lhe fiz: ficaríamos juntos mais tarde ou mais cedo. Lembro-me hoje de que nada do planeado aconteceu.

 

Hoje não estou com ela. Tampouco falamos. Somos meras presenças na vida um do outro, memórias factuais de um passado outrora presente, mas pertencente a um passado deixado para trás propositadamente. Magoamo-nos mutuamente. Quebramos promessas. Faz 2 anos ou mais que não a vejo. Sei que voltou a amar. Fico feliz por ela, acho eu. Sei que também ainda pensa em mim, se calhar vagamente não sei. Já não me conhece. Também já não a conheço. A pessoa que ela é, mais do que provável, não passa de uma sombra da pessoa que eu conheci e que tenho tatuado no coracao. É normal, penso eu, as pessoas mudarem com o tempo. Eu sei que estou diferente também. Estou mais maduro agora. Mais preparado para, se ela quisesse, conseguir cumprir com todas as promessas que lhe fiz. Se ao menos ela me deixasse fazê-la feliz.

 

Mas o tempo corre sempre. E agora é tarde.

Ela voltou a amar.

E eu deixei que me amassem.

Faz hoje 6 anos que conheci o amor da minha vida. E seis anos depois, ainda é nela que penso todos os dias.

7 comentários

Comentar post