Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

demagogia de bolso

Convencido . Corrompido . Corrosivo .

demagogia de bolso

Convencido . Corrompido . Corrosivo .

Procura-se Treinador de Penaltis

E começa a ser este o nosso fado:

 

"Jogamos como nunca, perdemos como sempre", nos penáltis diga-se.

 

Foi assim na Nova Zelândia, no Mundial de sub20, voltou a ser o mesmo desfecho, na República Checa, no Europeu de sub21. É sintomático, pelos vistos, na Selecção. Não. Não se trata de azar, ou falta de sorte. Não é a estrelinha que não está lá. É a capacidade e o empenho, ou melhor, a falta deles. Um jogo desta dimensão, tem muito mais do que 120 minutos. Tem o tempo que for preciso para trazer a taça para casa. Só que pelos vistos, começa a parecer que ninguém lhes diz isso. Andam todos com os meninos ao colo, fazem deles todos heróis ainda antes de ganharem alguma coisa.

 

E depois, chegados à hora das grandes decisões, é sempre a mesma coisa. "Partimos" para a bola com aquele ar sobranceiro de superioridade, com aquele jeitinho de que é só chutar a bola que isto já está ganho e depois o resultado é o mesmo: vemos os outros a levantar a taça, e nós prostrados no chão a "chorar o morango" como se não houvesse amanhã.

 

Mas o pior de tudo, nem é perder sequer, é ver a arrogância naqueles que já se acham os melhores do mundo e esquecem-se que isso prova-se em campo, e não cá fora. Prova-se com golos e com títulos e não com vitórias morais. Ouve-se sempre aquela máxima: "Só falha quem lá está". Pois bem, dessem-me a oportunidade a mim, e eu mesmo com este joelho direito cheio de artroses e reumático fazia bem melhor que o Guzzo, que o Nuno Santos ou agora que o William Carvalho. Nem que me fodesse todo. Nem que partisse o pé a chutar a bola. Eventualmente até poderia falhar, no entanto, com toda a minha certeza e consciência, garanto que só conseguiria bater o penálti, se tivesse completamente determinado e com confiança. E quando partisse para a bola, iria fazê-lo com a convicção de que era uma situação de vida ou de morte.

 

Agora "craques" como o William Carvalho não precisam. Para quê? Eles já valem 30 e 40 milhões de euros. Já andam nas bocas do mundo. Já são vendidos todos os dias aos melhores clubes de futebol.

 

Pois bem, é bem verdade todo esse "chinfrim" de que voltamos a ter uma "geração de ouro" e que podemos esperar grande coisas destes talentos enquanto futebolistas. Além dessa expectativa toda, só desejo uma coisa, que se façam Homens também, e que respeitem, quer o jogo, quer a bola, quer o adversário e os sonhos de uma nação.