Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

demagogia de bolso

Convencido . Corrompido . Corrosivo .

demagogia de bolso

Convencido . Corrompido . Corrosivo .

Percebes que o País vai mal...

Quando até o Bruno Nogueira se indigna e se revolta: 

 

"Um nojo que cresce, e a vida como se nada fosse. Uma bola no estômago em forma de raiva, e vergonha, e tudo. Ricardo Salgado vê a sua caução ser reduzida para metade pelo Tribunal Central de Instrução Criminal. Dos antes 3 milhões, terá que pagar apenas um milhão e meio para limpar a sua vida que não tem por onde ficar mais suja. Na mesma semana, como nos filmes maus, fica a saber que a sua reforma vai triplicar para um valor de 90.000€. Isto num país que tem de encontrar moedas entre as almofadas do sofá para pagar o dia de amanhã. E a vida segue, e o sol nasce, e nada acontece. A impunidade a qualquer preço num país que não merece ser pontapeado desta maneira. A merda que passa e acena a quem fica. O nojo que cresce. Merda por todo o lado, e mais merda. Merecíamos melhor. Merecíamos que a corrupção fosse punida por quem tem a responsabilidade jurídica e moral para o fazer. O país a ser defendido por nada. O que nos protege é um antibiótico que mata. Espalha a doença e segue, ninguém viu. Vítimas do BES com vidas destruídas por alguém que agora sai premiado. Mereciam melhor. É um país ao contrário, que já perdeu os sapatos, calça meias de cores diferentes e nada acontece. Amanhã tudo segue como ontem. Nada acontece a quem compra a liberdade nas traseiras de tudo. Assim é difícil acordar todos os dias. Assim é difícil não querer chamas e fogo e gritos. Feitas as contas, assim é difícil encontrar Portugal."

Dar mérito a quem o merece #1

Mais uma "pérola" ou momento de genialidade de uma das melhores páginas de humor que sigo no Facebook, e do qual sou completamente fã!

 

Estes "rapazes" merecem todo o reconhecimento do mundo!

 

Um Azar do Kralj

 

"- Então é assim... um pão de forma, sem côdea desta vez... meia dúzia de bananas, uns abacates... sabes ver se estão maduros?
- Não íamos treinar os lances de bola parada?
- Já fazes isso, calma. Vês alguém com pressa aqui?
- Temos um jogo crucial no domingo...
- E eu não sei? Foda-se, se não fosse esse jogo já tinha ido às compras.
- Ok, tudo bem.
- Em relação aos abacates, estás a ver aquela espécie de tronco pequenino na parte de cima? Arrancas aquilo, se estiver mais esverdeado podes trazer, quer dizer que estão bons para comer.
- E se estiverem verdes?
- Há sempre uns maduros, é uma questão de procurares. Se te vires à rasca pede ajuda a uma empregada.
- Certo... trago quantos?
- Podem ser uns 3 ou 4. Às vezes são mais pequenos. Não sei, decide tu. Depois... uns ovos, mas vê se há algum partido... uns douradinhos, umas coxinhas de frango, uns patés la piara... aliás, traz antes manná, de atum. E mais o quê? O que é que eu precisava mais... falta-me qualquer coisa.
- O Bushmills não estava a acabar?
- Precisamente! Bom, está aqui tudo escrito tintim por tintim. És o melhor adjunto de sempre eheheh traz qualquer coisa para ti!
- Mas a seguir treinamos os lances de bola parada?
- Não era nada o Bushmills, foda-se! Papel higiénico, é isso.
- De quantas folhas?
- Pode ser de 2. Deixa-me acertar contas com o BES e logo volto ao de 4."

 

um azar do kralj.jpg

 

Poder de Atracção

Percebes que alguma coisa de errado se passa, quando as únicas "gajas" que se metem contigo no Facebook, fazem-no para pedir este tipo de favores:

 

Jessica B. : "Oi fazes me um favor urgente ; ("

 

(desde aqui depreendi que isto fosse mais uma espécie de ordem súplica e não um pedido, visto que nem se deu ao trabalho de colocar um ponto de interrogação, isto, ou então nem sequer o sabe fazer)

 

Eu : "Se puder ajudar :)"

(acredito mesmo em ajudar o próximo, mesmo residindo eu no Norte do país e a "menina" em questão em Tavira, Algarve)

 

Jessica B : "Se me podias carregar me o tele vou ficar sem net"

Jessica B: "Compenso"

(nesta altura, pela construção frásica já consegui perceber que ela é mesmo burra como uma porta, traço da personalidade que consegui confirmar com uma publicação dela em que se insurgia contra a vinda dos refugiados SIRIANOS para o nosso país)

 

Eu: "Oh babe, vou-te ser sincero, tu arranjas mil e quinhentos gajos dispostos a fazer-te isso, com a promessa de qualquer coisa"

Eu: "Não há forma nenhuma de me compensares pequena. Não leves a mal, mas estás a pedir-me um favor que não faz sentido"

 

Jessica B: "Olha que não é bem assim"

Jessica B: "Ok na boa fico sem net"

(Com esta última frase acho que até fiquei a sentir-me mal com o desespero dela. Se calhar não dei a devida importância ao quanto representava para ela poder continuar a ver o seu feed de notícias e a publicar 3587 fotos por dia. Durou, exactamente, 1,2 segundos de remorso e peso na consciência, depois passou-me)

 

Capturadeecrã2015-09-14às14.13.46.jpg

 

 Se eu já pensava que Jessica era o nome de puta, fiquei com a certeza depois disto e de ver as fotos desta pessoa no seu Face.

 

Suicídio Assistido

Sei que é um tema forte e que ainda não estamos preparados para o debater na nossa sociedade. Foi o que foi com o Aborto e, mais recentemente, com o Casamento entre casais homossexuais.

 

No entanto, venho aqui colocar o foco na temática do suicídio assistido e, consciencializar as pessoas que é preciso legitimar o suicídio assistido em Portugal.

 

Não estou a falar de eutanásias, nem de mortes medicamente assistidas (a mesma coisa dita de duas formas). Não. Nada disso. Estou a falar da maior "espécie" de suicídio assistido que "grassa" em Portugal. É aquele tipo de suicídio em que uma pessoa mata-se (ou tenta, uma vez que a tentativa também é "punível", no que importa aqui para o caso), e as pessoas vão logo a correr para o Facebook na tentativa de saber, desesperadamente, o nome, a idade, o sexo, a altura, a cor do cabelo, quantas vezes arranjava as unhas por mês, a filiação política, se era destra ou canhota, se era apoiante do Passos ou do António Costa, se fosse grega se teria votado Sim ou Não no referendo, se tinha alguma opinião formada sobre o aquecimento global e o que achava das imagens mais recentes de Plutão.

 

É este tipo de suícidio assistido, senhoras e senhores, que tem vindo a "imperar" e a proliferar em Portugal. Ainda ontem, no meu concelho, bem perto de onde eu nasci e sempre morei, uma "jovem" com um historial já longo de "depressões e instabilidades psicológicas", tentou-se suicidar atirando-se abaixo de uma ponte. Estes são os factos. Mas não são aqueles que importam, aqueles que importam é saber tudo o que se passa agora na vida da senhora para podermos cada um de nós opinar sobre a vida dela. É para este comportamento que eu quero consciencializar as pessoas. Porque os idiotas que fazem isto, que se humilham e humilham as pessoas envolvidas neste tipo de tragédias, em busca de uma qualquer informação só para alimentar a sua curiosidade mórbida e desprovida de racionalidade e bom senso, também são pessoas, e temos de saber ser superiores a esta mediocridade que se vai expandindo no nosso país.

 

Eu, sinceramente, não me interessa se a jovem se matou ou não, quais eram as motivações dela, se o fez por desespero ou por desporto. Todas as hipóteses são válidas quando não passam de pura especulação. E, nisso, nem os corretores da bolsa de Wall Street, senhoras e senhores, são melhores que nós. Porque em especulação ninguém nos bate.

 

E especulando um pouco, só espero que a jovem não tenha estragado a estrada com a queda, é que passo lá diariamente de carro e não queria estar a ter de trocar de pneus.