Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

demagogia de bolso

Convencido . Corrompido . Corrosivo .

demagogia de bolso

Convencido . Corrompido . Corrosivo .

TAP - Tempos Áureos em Portugal

Não, este post não vai ser dedicado a falar da TAP. O máximo que quero deixar aqui exposto daquilo que sei ou penso do assunto, resume-se a isto: é uma companhia de aviões. Ponto final.

 

Vivemos tempos áureos em Portugal. É verdade. Aliás, tenho para mim a sincera opinião de que devemos ser o melhor país da Europa para se viver. E acredito que só os estrangeiros é que não sabem isso. Não por motivos de ordem económica ou social, nada disso. Isso são critérios muito elitistas para adjetivarem este povo.

 

Repito, nós somos o melhor país da Europa para se viver. 

 

Qualidades:

 

- Solidariedade - 

 

Já fez 8 anos que a Madeleine McCann desapareceu e na Praia da Luz ainda se realizam missas, com o intuito de reforçar a esperança de a encontrar. Melhor. Volta e meia, ainda andam por lá "investigadores" à procura de indícios e provas que demonstrem que ela foi raptada. Claro que com isto tudo, as pessoas de lá, principalmente as mais idosas que têm uma maior dificuldade em apreender as coisas, redobram a vigilância, perguntando umas às outras se não viram a pequena (que a ser viva, com 12 anos, provavelmente já nem virgem seria, que as inglesas nisso são muito "precoces", ou então porque tinha sido violada pelo seu "sequestrador").

 

Manuel Palito. Este bad ass, à boa moda de Valongo dos Azeites (nem eu inventava melhor), que é acusado de ter morto intencionalmente a ex-sogra e uma tia, e, ainda, ter ferido gravemente a filha e a ex-mulher, andou fugido às forças da autoridade durante 34 dias. Mas note-se, não eram 3 ou 4 polícias daqueles gordos à procura dele. Não, nada disso. Foi montado todo um dispositivo de segurança que mobilizou mais de uma centena de agentes da autoridade, todos em busca do Manuel Palito. Em 34 dias de evasão à polícia, o único a vê-lo era o padeiro, que afirmou tê-lo encontrado 2 vezes. Sim, porque até podia ser um homicida e um foragido da polícia, mas ele até era boa pessoa, e coitado, toda a gente tem de comer não é verdade?  As duas vezes que se cruzaram, foram as duas vezes que Palito acordara mais cedo e viera à porta de casa buscar o trigo para o pequeno-almoço. Ainda deram duas de treta:

M.P. - "Então Serafim (nome fictício do padeiro), tá tudo bem contigo? Que é que contas?" 

S - "Bem, nada de mais, ontem voltei-te a ver na televisão, realmente tinhas razão, a televisão faz-te mais gordo nas fotografias."

M.P- "É, eu tive a ver e também acho, e reparei também que afinal o bigode não me fica assim tão bem. Mas pronto, agora não tenho a Gina (nome fictício da ex-mulher), posso andar mais à vontade. Dá cumprimentos à senhora tua esposa, e olha, se não for antes, até amanhã".

S - "Até amanhã Palito. Depois no fim de semana acertamos conta do trigo."

 

Valentim Loureiro, Fátima Felgueiras, Isaltino Morais, Alberto João Jardim - figuras incontornáveis do panorama político português, todos eles venerados pelos seus respetivos eleitores e concidadãos. Por exemplo, quem não se lembra das "férias prolongadas" da Fátima no Brasil? Mesmo assim, quando chegou, foi recebida como se se tratasse da Amália ou algo do género. Pairava um sentimento de apoteose por ver voltar a filha "pródiga". E o que dizer da solidariedade de Alberto João Jardim para com os seus eleitores, que nos dias das eleições até disponibilizava carrinhas para ajudar as pessoas a deslocarem-se para os locais onde poderiam exercer o seu direito de voto, nele claro.

 

- Transparência -

 

Somos um país transparente aos olhos de todos os nossos colegas, membros da União Europeia. Não passamos de uma cambada de corruptos e mostramos isso com todo o nosso orgulho. Somos claramente transparentes nessa matéria.

Temos um ex Primeiro-Ministro (José Socrates) detido, por suspeitas de crimes de abuso de confiança, branqueamento de capitais e evasão e fraude fiscal. Temos um ex ministro preso (Armando Vara), condenado por crimes de tráfico de influências. Temos um ex presidente da bancada parlamentar do PSD (Duarte Lima), envolvido no escândalo BPN e no caso Homeland, condenado por burla qualificada e branqueamento de capitais, já para não falar da sua faceta de suposto homicída. Temos um ex ministro que era um génio académico, visto que conseguiu tirar uma licenciatura numa questão de dias, as competências eram tantas, que quando se soube do brilhantismo com que tinha tirado o canudo, abriu-se logo uma porta ao homem. Pois, a porta de saída do Executivo. E ainda temos pendentes, casos como o do Sr. Ricardo Salgado (BES), e do actual Primeiro-Ministro (Tecnoforma), que só não deu em nada ainda, porque ele se encontra, de certa forma blindado, pela sua posição no Governo. Mas é deixar o tempo correr.

 

- Arquitectura -

 

Entre o Tomás Taveira e a Ponte Entre-os-Rios (doravante, Ponte Dentro-dos-Rios, acho que fica melhor), dá para perceber que a arquitectura portuguesa em si, é um tema que não é muito destacado no panorama internacional, mas que, a nós, portugueses, é sempre daquelas coisas que nos põe uma lágrima no canto do olho. 

 

- Cultura -

 

Zé Pedro, Jorge Palma, Rui Reininho - 3 expoentes da cultura musical portuguesa. O primeiro, considerado o herói n.º1 do Casal Ventoso, os dois últimos, autênticos focos publicitários às companhias e cooperativas vinícolas.

Paco Bandeira - o cantor preferido da APAV.

Ana Malhoa - considerada a Nicki Minaj portuguesa (tipo, lol)

Homens da Luta, Fanny, Canuco, Toy e Zé Cabra - Sem dúvida, música no seu estado puro

 

- Mentalidade -

 

Óptima mentalidade. Somos o típico povo latino, que gosta de trabalhar pouco e descansar muito. Gostamos que as coisas nos caiam do céu. Temos inveja daqueles que têm mais do que nós, e em vez de lutarmos para chegarmos ao nível deles, desejamos ardentemente, o inverso, ou seja, que eles desçam ao nosso nível para não se "rirem" de nós. Andamos há 500 anos a viver acima das nossas possibilidades. No entanto, o presente é sempre o pior. Engraçado que as férias para o estrangeiro têm vindo a aumentar todos os anos sem interrupções. Temos uma mentalidade mesquinha. O aborto para nós mesmo referendado ainda é tabu. E o casamento homossexual é permitido, nós votamos a favor, mas em público ainda nos mostramos contra. Somos bestiais e bestas. Passamos de 8 ao 80 em 8 segundos. Um dia Jesus, no dia seguinte Judas. Criticamos os que não pagam impostos, simplesmente por inveja, por não termos tido a esperteza de ter feito o mesmo. Ambicionamos todos ser ricos, porque assim nunca vamos presos, as doenças não nos pegam e vivemos eternamente. Fazemos filas por um autógrafo do Ronaldo e nas redes sociais somos todos a favor do Messi. Para nós todos os políticos são maus, menos aqueles de quem somos amigos ou familiares, porque esses são os únicos bons. Passamos a vida a dizer mal de alguém, e quando esse alguém morre, passa a ser a melhor pessoa do mundo. Abandonamos idosos à sorte deles no interior do país, e criticamos o Governo por não oferecer trabalho aos jovens que se licenciam em merdas que não servem para nada. "O meu país é uma vergonha, sempre quis ser astronauta, e agora tenho de emigrar se quero ir ao espaço". Somos contra os parolos que fazem férias no Algarve, mas entre Julho e Agosto passamos todos por lá. O Zezé Camarinha representa-nos enquanto sexo masculino. Somos contra a Casa dos Segredos mas sabemos tudo o que se passa lá dentro, e vivemos felizes, anestesiados e aleados de tudo o que se passa além-fronteiras graças às 4 ou 5 novelas que passam diariamente no país. A mãe do Ronaldo tentou viajar com 55 mil euros e fazem disso notícia em todos os meios de comunicação social. Continuamos a fazer férias no Natal, Páscoa e Verão, mas vivemos o resto do ano do fundo de desemprego. Somos contra os imigrantes que vêm para o nosso país trabalhar naquilo que nós não queremos, mas se não fossem eles, ninguém faria aqueles trabalhos. Vivemos de "mãos dadas" com a religião, exponenciada pelo Santuário de Fátima, mas não passamos de uma cambada de imorais, desde o plebeu ao próprio clero. Compramos submarinos e nunca os chegamos a ver. Somos todos gente educada, mas temos como ídolo o Fernando Rocha e o Toni (mas a culpa é do Hassan caralho?). Para nós, justiça social, era sermos todos pobres e miseráveis. Onde ninguém se destacasse, e ninguém se pudesse rir das desgraças dos outros. Somos e temos um país que é um oásis, mas teimamos em fazer dele uma pocilga de porcos, onde só nos sentimos bem a chafurdar na lama, certificando, ao mesmo tempo, que ninguém sai da lama. Vivemos escudados numa liberdade de expressão sem limites, ampliada pelos mortos do Charlie Hebdo. Somos todos idealistas, somos todos pensantes pela própria cabeça, e somos todos contra o Gustavo Santos. Achamos que a Sónia Brazão não se quis matar, que o Carlos Cruz não violou criancinhas, e que o Salazar era um cabrão mas que mesmo assim mereceu ganhar o prémio de Maior Português de Sempre, seguido de perto pelo seu arqui-"inimigo" Álvaro Cunhal, na óptica de, já não basta o ridículo da primeira escolha, vamos certificar-nos que o segundo lugar não fica atrás. E, apesar de tudo isto, temos um imenso orgulho no Saramago, mesmo quando os livros dele foram censurados por nós (Estado), ao mesmo tempo, que ele, como patriota que era, radicou-se nas Canárias. Enquanto isso, o Sócrates lá aguarda na Carregueira que deduzam a acusação contra ele, o Vale e Azevedo esse continuará perpetuamente preso, o Camilo de Oliveira vai tomar o lugar do Manoel de Oliveira, o Ronaldo vai continuar a papar gajas boas, o Sporting continuará sem ser campeão, e eu vou continuar a ser alvo de críticas por não saber conjugar tempos verbais em condições, por parte de pessoas que, na óptica do António Feio, provavelmente fumaram e beberam a vida toda, e no fim, em vez de cancro, acabaram por morrer de falta de assunto. Enfim.

 

Podia aqui, descorrer muitas mais "qualidades" do nosso "pequeno" país. Mas fica só um pequeno excerto, para as mentes mais vazias se entreterem.


O que vale é que no nosso Portugal, independentemente do que o futuro trouxer, e como dizia o Professor José Hermano de Saraiva:

 

"Olhe, qualquer que seja, continuará a haver noites de luar, Serra de Sintra e o Tejo a correr para o mar"